Foto relato: A Via Láctea em Camburi por Ale Rodrigues


Foto de Ale Rodrigues
Foto de Ale Rodrigues

Texto cedido por Ale Rodrigues

Hoje vamos sair um pouco do mundo do surf para ceder espaço ao diálogo sobre a valorização da fotografia. Frequentemente somos questionados sobre os preços das imagens no Surfmappers. Por isso, optamos por publicar o relato do fotógrafo Ale Rodrigues, que também faz imagens incríveis de surf, para ilustrar um pouco o universo de uma fotografia. Confira o texto abaixo e responda você mesmo. Quanto vale uma foto?

“Foram 10 meses para fazer esta foto. Desde que eu tive essa idéia as condições nunca estavam certas. Sempre alguma coisa dava errado, foi então que utilizei o app Photopills, fiz umas simulações indo até o local durante o dia para poder enxergar e visualizar a composição, utilizando a realidade aumentada noturna do aplicativo para sobrepor a via láctea na minha composição.

Pois chegamos em Julho. Confirmei 1 semana antes a previsão do tempo e bingo, céu limpo sem nuvens, lua nova, via láctea onde eu queria (mais ou menos). Fui até a praia de Camburi, no sábado e durante o fim de tarde fui até o local para confirmar novamente no Photopills se a posição do centro da via láctea estava do jeito que eu precisava.

Fui jantar e por volta das 21:00 voltei ao local , já de noite com minhas lanternas, pois o local é entre Camburi e Camburizinho e lá a noite só doido que nem eu para ir sozinho no escuro com um swell grande, fui com minhas galochas, estava um friozinho de leve, e o céu estava limpo, sem nenhuma nuvem, atrás das pedras, é possível evitar um pouco da poluição visual.

Fiquei esperando o melhor horário e enquanto isso ia me aventurando nas pedras para encontrar diferentes composições, quando desequilibrei e caí em uma das pedras, ralei o joelho e a mão. Afinal, fotografia de paisagem é a arte da paciência, não é? Sangrou, mas só arranhão. Voltei ao local e fiz a foto após acertar a posição.

Esta foto é uma composição de 2 fotos, uma feita durante o dia para conseguir uma luminosidade melhor nas pedras e outra feita da via láctea, as duas foram mescladas no Photoshop. Voltei para a rua principal e meu carro tinha sumido, sim furtaram meu carro, mas graças a Deus nada de muito valor, exceto um Long John, uma toalha, chinelo e minha aliança de casamento.

O resultado final está aqui e me pergunto: Qual o valor desta foto?”

Previous Conheça agora 7 tipos incríveis de fotografia de surfe
Next Conheçam o fotógrafo do mês: Daniel Cruz!

1 Comment

  1. Avatar
    8 de fevereiro de 2019
    Responder

    Incrível hein. parabéns Ale e SM pela iniciativa.

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *